Poemas que imortalizam



Querida prima Iná Meireles, minha primeira paixão (nos tempos de infância) despediu-se ontem da matéria! Hoje, foi sepultada no Rio de Janeiro. Amanhã, faria aniversário. Homenageio-a com dois poemas que lhe escrevi em fevereiro de 1990, durante um passeio às praias de Itacoatiara e Itaipu, em Niterói.
Primeiro poema para Iná (fevereiro de 1990):
Carta-poema à prima-paixão
(Luiz de Aquino)
-
Ver o mar,
ver o verde. O beijo da onda,
a areia de Itacoatiara
e a língua do mar a beijar-nos
entre as pedras de Itacoatiara.
-
O céu:
o azul-fumaça
e plúmbeos cúmulos-nimbos
em cafunés nos penedos
de Itacoatiara.
-
Iná:
O róseo da pele,
lembrar o plácido de olhares
e palavras, a carícia presente.
Vontade de ficar e sonhar passado:
viver outra vez
a prima-paixão.
.

***********************************
Segundo poema para Iná Meireles (na mesma data):
.
Diálogo de liberdade à beira do mar da Praia Grande
.
(Luiz de Aquino)
.
,
— Já viu, minha prima,
que monotonia isso de o mar se quebrar?
— Feito a vida, pique e repique.
— Ondas que vêem ondas que vão!...
— Eis Itacoatiara: verde e 
mar, sol e verão.
— Céu azul, pedra e tesão.
E eu pensando em namorar!
— É... Namorar namorei
por todas as praias
de Araribóia!
********************

Nenhum comentário:

Postar um comentário