Perdido no meio da rua

Numa hora dessas, há 51 anos, eu estava desesperado, sem rumo. Começava a viver o pesadelo da ditadura militar que narcou minha vida e meu cinema. Tive que sair da casa do estudante politécnico e nao sabia para onde ir. Isso está em meu livro PERDIDO NO MEIO DA RUA, editado anos depois com textos de ficção escritos naqueles primeiros anos, desde o golpe e que revelavam a dolorosa perda de minha utopia. Aprendi a recusar tido tipo de ditadura, de qualquer matiz.

Acadêmico João Batista de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário