Ermano da Conceição

Patrono da Cadeira nº 15
Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Música


Ermano da Conceição (Pirenópolis 11.02.1888 – 28.06.1967), foi um renomado professor alfabetizador, garimpeiro, escrivão, músico e maestro. Filho de Marcos Ribeiro D'Abadia e de Luiza Aquino D'Abadia, ambos oriundos de famílias africanas. Passou toda a infância em Pirenópolis. Foi alfabetizado e completou o curso primário com o Mestre Joaquim Propício de Pina. Começou suas aulas em sua própria residência em Pirenópolis, na Rua Direita, nº 46, com o nome de Escola Municipal Benedito Marcos. 



Ermano já no final da vida

Usava como recurso pedagógico apenas uma grande mesa de madeira, reunia ali alunos de todas as idades, em salas de múltiplas séries. Utilizava-se da pedra lousa, uma lâmina de ardósia enquadrada em madeira, para nela escrever com o ponteiro (lápis feito da mesma pedra). Cada aluno possuía a sua, que era trazida de casa. Até hoje seus alunos se recordam com saudade de suas aulas e dos pedações de rapadura que eles dividiam entre si, durante o intervalo da merenda. Ermano desenvolveu uma forma elegante de caligrafia, como aliás todos os alunos de Propício de Pina, e trabalhava bastante a talho das vogais e consoantes com seus alunos, que por final possuíam o mesmo traçado de letra, que era a herança educacional de Propício.


Escola em Pirenópolis que leva o nome do Patrono

Era ele um mestre de vanguarda, sempre desejoso de novidades para prender a atenção dos alunos. Com esse fim e também para divulgar a cultura pirenopolina, frequentemente aconteciam no edifício da Estalagem, no Alto da Lapa, as famosas “Peças Teatrais de Ermano”, aonde ia Pirenópolis em peso.Na música, Conceição se destacava por tocar vários instrumentos da banda. E pela sua capacidade de ministrar teoria musical aos alunos, recebeu o título de maestro. Era um dos melhores músicos da Banda Fênix, e por ocasião da morte do Mestre Propício (1943), ajudou o maestro Luiz de Aquino Alves a manter viva aquela corporação musical.


A Estalagem em pintura do Acadêmico Pérsio Forzani

No ano de 1962, aconteceu em Pirenópolis um grande festival cultural, cuja intenção era divulgar as manifestações artísticas da cidade, com apresentações musicais, teatrais, literárias e de artesanato, que recebeu o nome de “Semana de Arte e Cultura”. O velho professor, então septuagenário, foi sua atração principal, com grande reverência dos ex-alunos.

Ermano da Conceição morreu aos 79 anos de idade, de insuficiência cardíaca, paupérrimo, inclusive com carência das necessidades básicas e sem receber a merecida aposentadoria. O Estado não o amparou e ele não tinha mais força para trabalhar.


A antiga lousa

Depois de morto é que foi valorizado. No mesmo ano em que faleceu, o Município de Pirenópolis batizou de Grupo Escolar Ermano da Conceição, a escola que mantem até hoje no Alto da Lapa. Sua presença entre os Patronos da Aplam é uma homenagem ao grande educador que foi e também uma maneira de valorizar os descendentes dos escravos que por aqui labutaram.

É Patrono da Cadeira nº 15, da Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Música.